Souza & Souza Advocacia - Notícias
NOTÍCIAS

14/10/2016

Em ação com vários pedidos, honorários devem se basear no principal

"Quando a sentença impõe condenações diversas, que não admitem o mesmo critério para fixação de honorários advocatícios, o julgador deve identificar qual o objeto central da demanda – ou seja, o pedido e a causa de pedir que tiveram maior relevância para a ação – e, com base nisso, estabelecer a verba honorária.

A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar recurso relatado pela ministra Nancy Andrighi.

A discussão girava em torno dos honorários fixados em ação que condenou a seguradora da Caixa Econômica Federal a efetivar a cobertura do seguro de um mutuário falecido, quitando sua dívida junto à instituição financeira; e que condenou a própria CEF, em consequência, a restituir aos herdeiros as parcelas do financiamento que foram pagas após a morte do mutuário.

Fazer e pagar

Segundo a ministra Nancy Andrighi, o caso analisado envolveu duplo pedido, com a possibilidade de dois tipos de fixação de honorários: a determinação de um valor fixo (critério de equidade) para a obrigação de fazer, em relação à seguradora, já que não havia conteúdo patrimonial determinado nessa obrigação; e a fixação de um percentual sobre o valor da condenação para a obrigação de pagar, em relação à CEF.

Inicialmente, a ministra observou que a vitória em dois pedidos não dá direito à cumulação de honorários, e que também não é possível desmembrar o cálculo para usar os dois critérios simultaneamente.

Conforme a magistrada, deve-se analisar o contexto do pedido para a definição do critério a ser utilizado. No caso, a seguradora havia negado a cobertura do sinistro sob a alegação de que o mutuário não informara doença preexistente na época da assinatura do contrato. No entanto, a Justiça reconheceu o direito ao seguro.

Restituição secundária

Para Nancy Andrighi, o juízo de primeira instância agiu corretamente ao fixar os honorários não em percentual sobre o valor da condenação, mas com base na equidade, nos termos do artigo 20, parágrafo 4º, do Código de Processo Civil de 1973 (no novo CPC, a previsão está no parágrafo 8º do artigo 85).

“É inegável que a controvérsia das partes gravitou em torno do direito ou não à cobertura do sinistro, de modo que a devolução das parcelas pagas após a morte do mutuário assumiu caráter secundário, dependente do reconhecimento do pedido principal”, argumentou a ministra.

Apesar de julgar correta a definição do método, ela entendeu que o valor fixado, de apenas R$ 360, era irrisório, e alterou o montante para R$ 10 mil, tendo em vista o tempo de tramitação da demanda e a sua expressão econômica.

A autora da ação pedia a elevação dos honorários, mas por outro fundamento: por entender que deveria ser fixado um percentual sobre o valor da condenação, conforme o artigo 20, parágrafo 3º, do CPC/73 (artigo 84, parágrafo 2º, no novo CPC)".

Leia o voto da relatora. Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):  REsp 1455834

Fonte: stj.jus.br
16/08/2016
O novo Código de Processo Civil e a segurança jurídica normativa
04/10/ 2016
Aniversário da Constituição - Advogados pedem que STF recue e proíba prisão antes de coisa julgada
06/10/2016
STF admite execução da pena após condenação em segunda instância
14/10/2016
Em ação com vários pedidos, honorários devem se basear no principal
03/11/2016
DECISÃO - CDC pode ser aplicado em conflito de condomínio contra empresa
28/11/2016
Estado transformou direitos e garantias do contribuinte em lendas urbanas
06/12/2016
Liminar afasta Renan Calheiros da Presidência do Senado
15/02/2017
Sócio oculto responde por dívida por se beneficiar do trabalho do empregado
09/03/2017
Juiz anula auto de infração que desconsiderou créditos de ICMS
16/03/2017
REPERCUSSÃO GERAL - ICMS não integra base de cálculo do PIS e da Cofins, define Supremo
11/04/2017
LIMITE PARA DEDUÇÃO DE IR DE DESPESA COM EDUCAÇÃO É INCONSTITUCIONAL
25/08/2017
Palestra motivacional cancelada sem aviso gera dever de indenizar
31/08/2017
Relator aplica princípio pro infans e concede prisão domiciliar a mãe de duas crianças
08/09/2017
Quarta Turma concede liminar contra excesso em prisão civil de alimentante
13/09/2017
Ministro afasta execução provisória de pena por ofensa à presunção de inocência
18/09/2017
Provedores, redes sociais e conteúdos ofensivos: o papel do STJ na definição de responsabilidades
03-10-2017
Suspensa execução provisória da pena de condenado com direito de recorrer em liberdade
10/10/2107
O apadrinhamento da Justiça e a supressão da imparcialidade judicial
17/10/2017
ENTENDIMENTO DO STF - Ação de reparação de danos decorrente de ilícito civil é prescritível, diz Lewandowski
24/10/2017
Música, livros e ressocialização: possibilidades de remição de pena na visão do STJ
07/11/2017
INDEPENDENTE DE CONSENTIMENTO STJ estabelece em súmula que sexo com menor de 14 anos é estupro
14/11/2017
Impossibilidade de execução provisória da pena restritiva
23/11/2017
PL que criminaliza vingança pornográfica é aprovado na CCJ do Senado
28/11/2017
Ministro aplica entendimento de que prorrogação de escutas telefônicas deve ser fundamentada
05/12/2017
PLENA VIGÊNCIA - Razões recursais em segundo grau ainda são válidas, diz ministro do STJ
28/12/2017
RETROSPECTIVA 2017 Relembre as 14 súmulas aprovadas pelo STJ em 2017, por área do Direito
16/01/2018
DANO MORAL - Comprador de moto deve indenizar ex-dono por não transferir o veículo
25/01/2018
Lei que permite bloqueio de bens de contribuintes inscritos em dívida ativa é objeto de Ação Direta de Inconstitucionalidade
15/02/2018
Ministro Celso de Mello concede prisão domiciliar a mãe de criança de 11 meses
19/02/2018
Ministro concede prisão domiciliar a mulher presa que tem filha de um ano
01/03/2018
OFENSAS NA REDE - Facebook é condenado a passar informações para identificar usuário
05/03/2018
ENTENDIMENTO POLÊMICO - Condenados em segundo grau conseguem HC no Supremo em 23% dos casos
13/03/2018
Liminar autoriza parte do indulto presidencial para sentenciados
22/03/2018
SENSO INCOMUM - Decisão de segundo grau esgota questão de fato? Será que no Butão é assim? Por Lenio Luiz Streck
27/03/2018
JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Até quando os direitos dos contribuintes serão desrespeitados? Por Raul Haidar
03/04/2018
Caixa não pode bloquear conta de aposentada para garantir pagamento de crédito consignado
09/04/2018
Lei fixa 90 dias para cadastro no Refis de Micro e Pequenas Empresas
19/04/2018
Ex-proprietário não é responsável por IPVA mesmo quando não comunica venda do veículo
07/05/2018
STJ aumenta de R$ 8 mil para R$ 70 mil indenização a advogada vítima de representação caluniosa
22/05/2018
RE que discute liberdade de expressão e direito a indenização por danos morais tem repercussão geral