Souza & Souza Advocacia - Notícias
NOTÍCIAS

04/10/ 2016

Aniversário da Constituição - Advogados pedem que STF recue e proíba prisão antes de coisa julgada

Membros da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (Abracrim) e do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) divulgaram carta pedindo que o Plenário do Supremo Tribunal Federal proíba a prisão antecipada, quando só houver condenação em segundo grau. A corte deve analisar o tema na próxima quarta-feira (5/10), mesmo dia em que a Constituição Federal completa 28 anos.

O texto, redigido por uma comissão presidida pelo jurista Lenio Streck, afirma que os ministros devem reconhecer que uma das maiores garantias da Carta Magna, senão a principal, é a presunção de que só deixa de ser inocente quem é declarado culpado com trânsito em julgado.

“Ministros de nosso Tribunal Constitucional têm a missão de não permitir que a interpretação e aplicação da Lei Maior se transforme em um paradoxo: ao mesmo tempo em que sua semântica aponte claramente para o norte, o sentido a ser atribuído por Vossas Excelências apontar para o sul”, dizem os autores.

Ainda segundo a carta, as supremas cortes “devem fazer cumprir o direito mesmo contra as tentações midiáticas ou desejos morais contingentes”. “Fosse papel dos senhores seguir a voz das ruas, não necessitaríamos de uma Constituição.” Os autores dizem que a jurisprudência anterior do Supremo, impedindo a prisão antecipada, permitiu a liberdade de uma série de inocentes em um país onde é comum a inversão do ônus da prova.

Leia a íntegra da carta:

Coincidência, contingência ou paradoxo, é exatamente no dia 5 de outubro, no aniversário de nossa Constituição, que a Suprema Corte vai discutir a sua essência: o status libertatis. Constituições são feitas para serem utilizadas contra o poder. Contra a opressão. E, fundamentalmente, como remédio contra maiorias. Assim são as garantias. E a presunção de que a pessoa é inocente até que seja declarada culpada com trânsito em julgado é uma delas. Senão a principal.

Coincidências e contingências acontecem sem nos darmos conta. Paradoxos, não. É exatamente por isso que as senhoras Ministras e os senhores Ministros de nosso Tribunal Constitucional têm a missão de não permitir que a interpretação e aplicação da Lei Maior se transforme em um paradoxo: ao mesmo tempo em que sua semântica aponte claramente para o norte, o sentido a ser atribuído por Vossas Excelências apontar para o sul.

As Supremas Cortes têm um papel pedagógico. Devem fazer cumprir o direito mesmo contra as tentações midiáticas ou desejos morais contingentes. Fosse papel dos senhores seguir a voz das ruas, não necessitaríamos de uma Constituição. Aliás, não há dados empíricos que demonstrem que a população deseje, sinceramente, que a presunção da inocência seja fragilizada.

Senhoras ministras e senhores ministros do STF: quantos dias de liberdade foram conquistados nos últimos anos graças à virada jurisprudencial de 2009? Quantas progressões de regime foram corrigidas graças à mudança jurisprudencial de 2009 e à Lei n. 12.433 de 2011? Quantos dias, meses e anos de liberdade foram conquistados por intermédio da ação do STJ e STF em um país em que ainda se inverte o ônus da prova cotidianamente?

Quantos dias, meses e anos de liberdade foram conquistados por intermédio da ação do STJ e STF em um país em que quem mais sofre são os menos favorecidos com a imposição de altas penas e regimes de cumprimento mais gravosos que o permitido em lei? Por isso o constituinte estabeleceu a garantia da presunção da inocência em cláusula pétrea.

Que este dia de aniversário não se transforme em dia de lamentações. A função de uma Corte Suprema, por vezes, é muito mais simples do que se imagina: por vezes, só se quer que ela diga que onde está escrito liberdade, leia-se liberdade. E onde está escrito presunção da inocência não se necessite grandes elucubrações e teorias sofisticadas: por vezes, uma sinonímia salva. Salva horas, dias e anos de liberdade.

Por isso, neste dia 5 de outubro, esperamos que o 28º aniversário de nossa Constituição reafirme a sua condição cidadã para que continuemos a nos orgulhar dela!

Brasília, 5 de outubro de 2016

IAB – Instituto dos Advogados Brasileiros
Técio Lins e Silva
Presidente

ABRACRIM – Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas
Elias Mattar Assad
Presidente

Comissão de Redação
Lenio Streck
Relator

fonte:conjur.com.br
16/08/2016
O novo Código de Processo Civil e a segurança jurídica normativa
04/10/ 2016
Aniversário da Constituição - Advogados pedem que STF recue e proíba prisão antes de coisa julgada
06/10/2016
STF admite execução da pena após condenação em segunda instância
14/10/2016
Em ação com vários pedidos, honorários devem se basear no principal
03/11/2016
DECISÃO - CDC pode ser aplicado em conflito de condomínio contra empresa
28/11/2016
Estado transformou direitos e garantias do contribuinte em lendas urbanas
06/12/2016
Liminar afasta Renan Calheiros da Presidência do Senado
15/02/2017
Sócio oculto responde por dívida por se beneficiar do trabalho do empregado
09/03/2017
Juiz anula auto de infração que desconsiderou créditos de ICMS
16/03/2017
REPERCUSSÃO GERAL - ICMS não integra base de cálculo do PIS e da Cofins, define Supremo
11/04/2017
LIMITE PARA DEDUÇÃO DE IR DE DESPESA COM EDUCAÇÃO É INCONSTITUCIONAL
25/08/2017
Palestra motivacional cancelada sem aviso gera dever de indenizar
31/08/2017
Relator aplica princípio pro infans e concede prisão domiciliar a mãe de duas crianças
08/09/2017
Quarta Turma concede liminar contra excesso em prisão civil de alimentante
13/09/2017
Ministro afasta execução provisória de pena por ofensa à presunção de inocência
18/09/2017
Provedores, redes sociais e conteúdos ofensivos: o papel do STJ na definição de responsabilidades
03-10-2017
Suspensa execução provisória da pena de condenado com direito de recorrer em liberdade
10/10/2107
O apadrinhamento da Justiça e a supressão da imparcialidade judicial
17/10/2017
ENTENDIMENTO DO STF - Ação de reparação de danos decorrente de ilícito civil é prescritível, diz Lewandowski
24/10/2017
Música, livros e ressocialização: possibilidades de remição de pena na visão do STJ
07/11/2017
INDEPENDENTE DE CONSENTIMENTO STJ estabelece em súmula que sexo com menor de 14 anos é estupro
14/11/2017
Impossibilidade de execução provisória da pena restritiva
23/11/2017
PL que criminaliza vingança pornográfica é aprovado na CCJ do Senado